Acompanhe:
Arte Livros

Filigrana: História e Técnica

O livro Filigrana – História e Técnica, que já existe em forma física, foi lançado também em e-book na Amazon (comprar)! Para comemorar essa conquista, a Thais Guarnieri, pesquisadora, joalheira e uma das autoras do livro, aceitou o convite para publicar aqui no blog esse texto super bacana explicando a história e a evolução dessa técnica tão incrível. Eu espero que vocês gostem!

2016-06-24-22-45-22

Filigrana é uma das técnicas mais antigas de ourivesaria do mundo, que consiste em trançar e curvar fios de ouro ou prata, onde um artesão com muita experiência consegue trabalhar com fios de espessura finíssima tal como a de um cabelo, para preencher as armações de um desenho desejado por ele. Assim se originam joias, de aparência rendilhada e muito delicada.

Um dos mais antigos trabalhos de filigrana que se tem notícia data de 2500-2000 a.C. encontrado na cidade de Ur (hoje sul do Iraque). Essas primeiras peças têm os fios soldados sobre uma chapa. Os sumérios desenvolveram técnicas de ourivesaria, cujas habilidades foram passadas através do contato com outras culturas como as que habitaram o Golfo Pérsico e o Mediterrâneo, chegando até a Etrúria.

Reconhecidamente exímios nesta arte, os etruscos associavam filigrana e granulação, soldando esferas de metal sobre os fios como forma de decoração. Outra inovação foi a de conseguir soldar a filigrana em armações, eliminando as chapas das joias. A textura produzida pelo trançado do fio passa a ser uma das características fundamentais para a técnica. O termo FILIGRANA só é cunhado a partir do século XVII, provavelmente por mérito de Lorenzo Magallotti.

Lorenzo nasceu em Florença, estudou na universidade de Pisa em 1660. Foi diplomata do Grão-Duque Ferdinando II, imperador do Sacro Império Romano, e depois do Duque Cosimo III. Escreveu alguns livros, onde cita e descreve técnicas de joalheria, sendo uma delas o trabalho com fios. A palavra escolhida para nomear a técnica deriva do latim, FILUMM que significa fio e GRANUM, que quer dizer grão. Isso faz alusão e reforça a importância da aparência que os fios trançados dão de gomos, quando a peça está pronta.

Reprodução: Thais Guarnieri Centro de Estudos

Reprodução: Thais Guarnieri Centro de Estudos

A filigrana chega as Américas com os ourives que migraram para o novo mundo assim como os portugueses. Cada país em que esta arte foi introduzida desenvolveu características particulares tanto na produção, como em seus desenhos. Produzindo hoje no Brasil temos Natividade onde o mestre Wal mantém sua oficina-escola. Os alunos aprendem a fazer a Filigrana como forma de manter e preservar essa técnica que chegou na cidade provavelmente na época da corrida do ouro. Natividade foi fundada em 1734 e foi um dos mais importantes polos de retirada de ouro durante o século XVIII. Alguns pesquisadores afirmam que mais de 40 mil escravos trabalharam retirando o ouro de aluvião, isto é, o metal estava depositado no leito dos rios.

Quem escreve:

Thais Guarnieri é formada em Fotografia pela Escola Pan Americana de Artes. Formada em Publicidade e Propaganda, na Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP). Pós-Graduada em Gestão de Luxo na Fundação Armando Álvares Penteado ( FAAP). Viajou pela América Latina, para aprender a técnica da Filigrana com os Artesãos.

Participou de Exposições com seus trabalhos, no Brasil, Estados Unidos e Alemanha. Participou como professora no Núcleo de Cultura na Fundação Armando Álvares Penteado – FAAP, Professora no Istituto Europeo di Design, na Graduação, no Curso de Produção de Joalheira, e nas Escola de Joalheria Espaço Mix, Ateliê Alquimia, Arte e Metal e Marcia Pompei. Autora do Livro “Filigrana – História e Técnica”, publicado em 2012. Ministra palestras sobre História da Moda, História da Joalheria e História da Filigrana nas Escola Espaço Mix e Marica Pompei. Pesquisadora da História da Joalheria e a vida do Barão de Guaraciaba.

O Livro:
A obra traz a pesquisa histórica das autoras sobre a técnica de joalheria filigrana, desde seu início com o povo sumério até alcançar as Américas e a produção atual.

Percorrendo o desenvolvimento desta arte e seu aperfeiçoamento entre os povos desde 2500 a.C., demonstrando passo a passo a elaboração de peças em filigrana com mais de quarenta ilustrações com todos os detalhes técnicos.
A versão digital do livro conta com mais fotos do passo a passo de uma joia de Filigrana.

Reprodução: Thais Guarnieri Centro de Estudos

Reprodução: Thais Guarnieri Centro de Estudos

A Thais também mantém um centro de estudos virtual, atualizado com vídeos, fontes de pesquisa, fatos históricos e curiosidades sobre joalheria e sobre a técnica da Filigrana. Além disso, ela tem uma página do Facebook atualizada com notícias e curiosidades! Se você tem interesse pela área e gosta de saber como essas joias maravilhosas são feitas, vale muito a pena conferir!

Nota: Thais Guarnieri aceitou o convite para escrever este post. O blog não pagou e nem recebeu em troca desta publicação, e nem tem participação nos lucros da venda do livro (o que não quer dizer que você não deva clicar no link ali de cima e comprar).

Compartilhe:
Comente:
Post Anterior Próximo Post

Você também pode gostar de:

Nenhum Comentário

Deixe uma Resposta