Acompanhe:
BEDA Filmes

[BEDA] #21: Filmes para ver a vida de outro jeito

Lembram que eu disse que ia rolar listinha de filmes cults de verdade por aqui? POIS ENTÃO, chegou a hora!
Vou contar pra vocês que eu tô feliz que o BEDA tá acabando, viu? Tô me divertindo MUITO, mas não tô dando conta de divulgar e preparar todos os posts não, hehehe.

PI

f7b3da9740783b6790a53a42e4ee0c4d

Reprodução

Da série “o filme é tão cult que é até em preto e branco”, PI é um filme incômodo e sufocante, que – acreditem se quiserem – faz até a pessoa mais de humanas do Brasil ver algum charme na matemática. Isso porque nós acompanhamos a vida de um matemático às portas de uma descoberta incrível, tentando ultrapassar as limitações de uma enxaqueca infernal e incurável e se deparando com um questionamento inusitado: seria a Matemática a linguagem usada por Deus?

Never Let Me Go

Reprodução

Reprodução

Quer ficar na bad? O debate neste filme é tão intenso que a bad nunca vai realmente deixar você. Eu vi esse filme há meses, e direto ainda lembro da história e fico “UOU… que filme bom”. O que você faria para curar a doença incurável de uma pessoa amada? Um câncer, uma falência de órgão, praticamente qualquer coisa. Quão longe você aceitaria ir se não houvessem limites para a evolução da medicina? Você é contra testes em animais? Em humanos?… E sobre testes em clones, o que você acha? Neste filme acompanhamos a vida de um grupo de jovens que foram criados para acreditar que suas vidas são comuns, e que não há nada além deste único caminho a seguir: eles são clones, e seus órgãos serão doados até que eles não sobrevivam à terceira ou quarta cirurgia. Afinal de contas, o que mais um clone poderia fazer?… Se apaixonar?

Stalker

Reprodução

Reprodução

Nesse filme russo longo, lento e bonito, temos a seguinte metáfora: a Ciência, a Arte e a Religião são forçadas a traçar um difícil caminho juntos, pois todas têm o mesmo objetivo: ver seus sonhos realizados por uma força misteriosa. Para isso eles dependem de um Stalker: a única pessoa capaz de cruzar o caminho sem se perder.

A Girl Walks Home Alone at Night

Reprodução

Reprodução

O primeiro filme de vampiros da história do cinema iraniano. Tá bom ou querem mais? Esse filme tem uma fotografia MARAVILHOSA e trás metáforas sobre toda a sociedade contemporânea, além de contrastar de maneira bastante interessante a influência ocidental com os costumes tradicionais do país. Foi resenhado nesse post aqui, séculos atrás.

Arca Russa

Reprodução

Reprodução

Três horas de filme em um único take, que tal? Somos levados, juntamente com um homem que, tudo indica, acabou de morrer, pelo Palácio de Inverno do Museu Hermitage. O filme é uma aula maravilhosa sobre a história da Rússia, mas você pode querer fazer pequenas pausas para respirar e tentar impedir que o seu cérebro derreta com o tanto de beleza e informação sem pausas.

E nunca deixe ninguém te dizer que você não manja dos filmes cult.

Compartilhe:
Comente:
Post Anterior Próximo Post

Você também pode gostar de:

4 Comentários

  • Responder Outro Capítulo

    que post maravilhoso!Já coloquei os filmes na minha lista!
    Beijoss!

    http://www.outrocapitulo.com/

    24 de agosto de 2016 às 00:55
    • Responder Marcela Fabreti

      Coloca sim que vale a pena ❤️

      11 de outubro de 2016 às 23:39
  • Responder Ruh Dias

    Sempre que eu venho aqui ver quais são seus últimos posts eu fico pensando que, quando o BEDA acabar, você nunca mais vai postar na vida, vai pegar bode! rs

    Sobre os filmes, eu AMO "Não me abandone jamais". Fiz Livro versus Filme dele no meu blog, caso você queira ler: http://perplexidadesilencio.blogspot.com.br/2015/09/o-livro-ou-o-filme-nao-me-abandone.html

    E estou doida para ver "Arca Russa"!

    Um beijo,
    Ruh Dias
    perplexidadesilencio.blogspot.com

    25 de agosto de 2016 às 00:51
    • Responder Marcela Fabreti

      Eu COM CERTEZA vou ler a sua comparação porque tô doente de vontade de ler Não me Abandone Jamais (que só não comprei porque mesmo as últimas promoções não colaboraram). Na verdade, nem conheço o autor e já quero ler tudo o que ele escreveu na vida só por causa desse filme.

      11 de outubro de 2016 às 23:38

    Deixe uma Resposta