Acompanhe:
BEDA Geek Quadrinhos

[BEDA] #2: The Year of the Joker! Coringa, de Brian Azzarello + A Piada Mortal

Sem querer entrar no mérito Marvel x DC, mas é preciso admitir que a última está roubando a cena esse ano em questão de quadrinhos e animações (já falei sobre a animação de A Piada Mortal aqui no blog), E QUE um dos filmes com a maior hype desde que foi anunciado é sem dúvidas Esquadrão Suicida. Além disso, desde que foi escalado no papel de Coringa, Jared Leto é o responsável por levantar ainda mais a moral das tropas e a curiosidade para conferir o novo estilo de um dos vilões mais icônicos de todos os tempos.

E, para colocar um pouquinho mais de lenha na fogueira, no post de hoje eu surjo com uma resenha dupla: de um lado, um dos quadrinhos mais icônicos de todos os tempos e, de outro, a última representação gráfica do Coringa, mais insano e violento do que nunca.

Começamos pelos mais velhos?

A Piada Mortal

Reprodução

Reprodução

Honestamente, não há muito o que dizer sobre este quadrinho que já não tenha sido dito várias vezes antes desde sua publicação em março de 1988. Escrito pelo icônico-por-si-só Alan Moore, The Killing Joke é considerada a história definitiva do principal vilão da DC.

Com uma trama desesperadora, carregada de flashbacks que nos mostram a origem do personagem, além de muita violência, tudo gira em torno de uma única teoria: um dia verdadeiramente ruim é o suficiente para te deixar louco. Afinal de contas, a mente humana tem um limite do quanto pode suportar – e ultrapassá-lo é questão de tempo e, diria o Coringa, muita dedicação. E nosso vilão favorito está mais do que disposto a provar seu ponto.

O quadrinho recentemente ganhou uma adaptação em animação de longa metragem, que também leva o nome de Brian Azzarello, de quem eu vou falar logo logo. Eu me aventurei a ver a animação na estreia mundial, e se você quiser saber o que achei, é só conferir este post AQUI.

Eu aposto que o quadrinho, em sua época de lançamento, foi absolutamente chocante. No entanto, eu, pequena psicopata que sou, achei que ainda tinha espaço para mais violência na história. Acredito que, se o Coringa tivesse se dedicado um pouquinho mais, ele teria conseguido alcançar seu objetivo: enlouquecer o Comissário Gordon. No entanto, longe de mim defender banhos de sangue gratuitos, principalmente porque este único episódio mudou a vida de todos eles, e deu um novo rumo para a história dos heróis de Gotham.

A Piada Mortal talvez seja a primeira sugestão de que Batman e Coringa não são tão diferentes assim (a teoria voltaria a ser testada no ano seguinte, na sensacional HQ Asilo Arkham). A trama deixa bastante clara a existência de um quê de sanidade no Coringa, e de algo de insano no herói-morcego.

Coringa

Reprodução

Reprodução

Por outro lado, adaptação solo mais recente feita sobre o personagem, lançada em 2008, trás violência e realidade muito mais “contemporâneas”, além de um início muitíssimo curioso: ninguém sabe como, mas o Coringa atestou a própria sanidade e foi liberado formalmente do Asilo Arkham. A trama é narrada por Jonny Frost, um criminoso de nenhuma importância na hierarquia de Gotham, mas que tem ambição e coragem suficientes para mirar alto. Isso o transforma quase que em um assistente pessoal do Coringa, que, ao contrário do que dizem, está mais louco do que nunca e determinado a recuperar o controle do submundo criminoso de sua cidade.

Esta HQ conta com várias aparições interessantes, além do próprio Batman. Em sua cruzada de volta ao topo, o Coringa, sempre acompanhado por Jonny Frost, encontra outros vilões como Pinguim, Charada, Killer-Croc e Duas-Caras, além de estar sempre acompanhado por uma Harley Quinn muito diferente de como costumava ser retratada.

Não me entendam mal, a HQ é muito, muito boa. O protagonista é uma versão mais doentia e viciada do personagem Heath Ledger, mas eu achei que o constante abuso de álcool e drogas, tanto pelo Coringa quanto pela Harley, tirou um pouco do propósito de ambos os personagens. Sendo bem sincera, aqui a Harley é pouco mais do que uma prostituta psicótica, enquanto boa parte do comportamento “Coringa” do Coringa se dá porque ele está muito chapado o tempo todo. Isso tirou um pouco daquela loucura clássica e despropositada do personagem, que aqui realmente talvez pertença mais à rehab do que ao Asilo Arkham.

O volume também conta com algumas características icônicas e inéditas, como a cena onde, desafiando qualquer crença popular, o Coringa, ao perceber o que fizeram da sua cidade, do seu submundo, enquanto ele estava preso, chora agarrado à Harley, como quem chora em cima das ruínas do próprio reinado. Aqui, também, em oposição ao origins apresentado em A Piada Mortal, vemos, ainda que não pela primeira vez, a insinuação do Coringa como um elemento imutável de Gotham. Quem assiste Gotham (a série) talvez esteja mais acostumado com a teoria de que os vilões são, muito mais do que indivíduos, facetas da cidade. Sempre haverá um Batman para protegê-la, e sempre haverá um Coringa para dominá-la.

Apesar dos pesares, a HQ é realmente boa, e a arte é maravilhosa. E, vamos combinar, quem é fã mesmo nunca recusa uma nova adaptação.

Espero que tenham gostado o post e, seguindo firme e forte com o BEDA, vejo vocês amanhã! ❤️

Compartilhe:
Comente:
Post Anterior Próximo Post

Você também pode gostar de:

13 Comentários

  • Responder Petit Andy.

    "pequena psicopata que sou" hahhaahahha! ADOREI! E combinada com esta foto sua… perfeito! kkkkk
    Cela, adoro suas resenhas. De verdade mesmo! Me deu vontade de ler a HQ novamente.

    Sério, você já pensou em escrever um livro de suspense?
    Sem brincadeira. Acho que seria muito bom!

    Beijo girl! 🙂
    Andréia Campos
    http://petitandy.com

    3 de agosto de 2016 às 00:26
  • Responder Mariana Pedroso

    Eu não li, mas deve ser incrível! <3 Tá ansiosa pra Suicide Squad? 🙂

    3 de agosto de 2016 às 00:27
  • Responder Marcela Fabreti de Oliveira

    Eu tô MUITO ansiosa pra esse filme, você não tem ideia!! Tô mortinha de medo de não gostar também, socorr D:

    3 de agosto de 2016 às 01:32
  • Responder Marcela Fabreti de Oliveira

    SERIA MEU SONHO? HAHAHAHA
    Te prometo que um dia, UM DIA eu ainda vou publicar um livro. E não vai ser biografia E vai ter mais texto do que foto. Numa fonte de tamanho normal. Sem ser colorido E com todas as páginas preenchidas com conteúdo RELEVANTE. OH YEAH.

    3 de agosto de 2016 às 01:40
  • Responder Espelho Da Sereia

    Eu nunca vi nada do coringa, acredita ? Não sei nem como ele é direito, heheheheheh.
    Beijos
    Espelhodasereia.wordpress.com

    3 de agosto de 2016 às 21:10
  • Responder Clayci

    Hoje eu tirei o dia para ler as publicações atrasadas da Cela? SIMMMMMMMM
    Miga você é tão psicopata que até seu apelido diz isso: cela ..
    enfim ahuahahahuahuah

    Eu não sou a melhor pessoa para comparar os universos, mas concordo com vc sobre o destaque da DC esse ano!
    Eu já tive o prazer de saber da história do Esquadrão e apesar de ter ficado chateada com a personalidade do vc sabe quem.. Não gente não estou falando do voldenort..

    Eu gostei e muito da HQ. E não sei se caberia mais violência dentro dela. Digo isso porque fico imaginando os olhos de quem leu em 1988. Eu fiquei em choque nos dias de hoje.

    Achei que a adaptação que fizeram de filme, não retratou bem o que senti lendo.. enfim.

    Amei as comparações e já posso andar com vc na hora do recreio para saber mais desse mundo dc
    Beijos

    http://www.saidaminhalente.com

    3 de agosto de 2016 às 21:10
  • Responder Amanda T.

    Oooi! Tudo bem?

    Ai, realmente a DC está com tudo, e vai me levar à falência (de tempo e dinheiro) esse ano! Esquadrão Suicida tá lançando hoje aqui na minha cidade e ao mesmo tempo em que estou louca pra ver, também tô com medinho. Primeiro porque, por mais que eu evite ler críticas antes de assistir qualquer coisa pra não me deixar influenciar, dá pra ver pelas manchetes e comentários do Twitter que não estão sendo muito boas. Sem falar que amo demais o Jared Leto, acho que ele é incrível, e tô com medo de não gostar do Coringa dele por conta das minhas expectativas altas e do meu carinho absurdo pelo Coringa de Heath Ledger. Eu sei que não é "certo" comparar, e que cada um tem a sua interpretação, mas meu cérebro infelizmente não funciona assim, e tenho medo de me decepcionar se ele não atender minhas expectativas.

    Ai, esse quadrinho <3 acabei de ler, e por sua causa, sabia? Eu sou muito fã de quadrinhos, mas isso foi só nos últimos anos, e me sentia muito perdida ao tentar decidir o que ler, com tantas linhas temporais e universos paralelos, então acabei desanimando e lia as versões "novelizadas" que achava pela internet pra ficar por dentro. Aí vi seu post sobre A Piada Mortal, e fiquei tipo "ai, finalmente, uma dica do que ler!". Só não consegui ver o filme ainda, porque tudo o que você falou da Batgirl e das merdas que fizeram me desanimou. Mas assim, obrigada, e continue dando essas dicas pra eu me aventurar mais por essa arte!

    Beijinhos, te espero lá no http://amendoasefelpices.blogspot.com.br/

    4 de agosto de 2016 às 16:54
  • Responder Ruh Dias

    Adorei o post. Coringa é um dos melhores vilões de todos os tempos, seja na HQ ou no cinema, e acho que você conseguiu passar um resumo, ao mesmo tempo, sucinto mas completo.
    Ontem fui assistir Esquadrão Suicida e gostei muito do Coringa do Leto. Ok, pode ser que seja porque sou groupie dele e largaria tudo por aquele homem, mas prefiro acreditar que fui imparcial e racional na minha opinião. E a Arlequina da Margot está um pouco mais doce do que deveria. Mas veremos o que você acha.

    Beijos
    Ruh Dias
    perplexidadesilencio.blogspot.com

    4 de agosto de 2016 às 16:54
  • Responder Marcela Fabreti de Oliveira

    É um bom jeito de começar o caminho geek de ser, hahahah.

    8 de agosto de 2016 às 00:47
  • Responder Marcela Fabreti de Oliveira

    ESSE TROCADILHO EU ENTENDI, VIVA! HAHAHAHAHA
    Cela… Tô morta.
    E sim, depois eu parei pra pensar melhor nisso, A Piada foi boicotada no ano de lançamento por ser violenta demais. Eu que cresci jogando GTA mesmo e acho que sempre dá pra piorar, HUE.

    8 de agosto de 2016 às 00:50
  • Responder Marcela Fabreti de Oliveira

    Eu assisti o Esquadrão ontem! E obviamente vai ter resenha do filme por aqui em breve. Mas já te adianto que eu gostei bastante do Coringa do Leto, quero muito que ele apareça de novo e tenha mais tempo em cena, porque eu achei mega promissor. <3 E eu gostei da Arlequina! Mas não dá pra negar que ela foi o alívio cômico do filme inteiro.

    8 de agosto de 2016 às 00:52
  • Responder Marcela Fabreti de Oliveira

    Yey! Eu fico muito feliz quando as pessoas aceitam minhas recomendações, sério mesmo <3 e pode deixar que dica por aqui não vai faltar nunca! Inclusive, logo menos vai ter resenha de Esquadrão Suicida por aqui também!

    8 de agosto de 2016 às 01:03
  • Responder Milca Abreu

    Eu amei esse post. Sou fã de carteirinha do Coringa e gostei muito da hq piada mortal, já o filme… Enfim, muito legal saber um pouquinho mais <3

    8 de agosto de 2016 às 23:50
  • Deixe uma Resposta