Acompanhe:
BEDA Filmes Geek

[BEDA] #10: Eu vi – Suicide Squad

Reprodução

Reprodução

GOD ONLY KNOWS o tanto que eu estava empolgada para ver esse filme. E só ele sabe também a complicação que vai ser fazer essa resenha.

Acho que aqui eu não vou começar nem do começo, e sim do prólogo. Antes de falar de Esquadrão Suicida, vou explicar por que eu não gostei de Batman Vs Superman. Na verdade, vou até mais além, e antes de falar sobre BvS eu vou explicar para vocês como eu vejo um filme.

Talvez por causa do costume de escrever resenhas de todos os filmes que eu assisto, geralmente assim que eu assisto (lembrando que antes de voltar com o blog eu bombardeava o Filmow e o Banco de Séries com textos gigantescos), eu não consigo mais ver um filme sem um olhar crítico. Eu dou muita importância ao roteiro, então o meu normal é ver um filme já julgando trama, desenvolvimento, momento de tensão, clímax, etc. É o meu jeitinho. Faço isso mesmo com filmes que eu não pretendo resenhar por aqui.

Isso explicado, vamos agora para o motivo de eu ter detestado a última grande produção da DC Movies: o filme basicamente fez tudo errado. A trama era desequilibrada, os momentos de tensão foram resolvidos de maneira estúpida, os personagens foram subaproveitados, a história se perdia em si mesma, e o pior: o filme tentava ser cult, e fazia isso de um jeito péssimo, enfiando cenas repetitivas em horas inapropriadas, acreditando que uma edição exagerada daria algum significado profundo ao momento que, honestamente, não tinha significado algum. E eu vou falar um negócio para vocês: se o filme quer pagar de cult, então a gente vai resenhar que nem filme cult – e é MUITO DIFÍCIL produzir um filme cult de verdade que seja bom (para mais informações sobre um filme cult e bom, vide esse post aqui, por exemplo, e aguardem o post do BEDA de filmes que vão te fazer ver a vida de outro jeito).

Dessa forma, quando um filme comercial de ação tenta ser cult, o resultado fatal vai ser um filme péssimo, e foi isso o que aconteceu com a versão de cinema de Batman Vs. Superman. Noooo entanto, eu estou mega curiosa a respeito da versão estendida do filme, e acredito MESMO que eu possa gostar, principalmente se os cortes e cenas sem sentido tiverem um nexo nessa nova versão.

Eu não sou a primeira a falar nenhuma dessas coisas, então era de se esperar que a DC Movies aprendesse com os erros do filme anterior na hora de produzir Suicide Squad, maaas as coisas nunca saem bem como a gente espera, não é verdade?

Reprodução

Reprodução

Sem falar que SS foi muito mais propagandeado do que BvS. A hype com o novo Coringa era estratosférica. Cada novo trailer, preview, novo pedaço de informação disponibilizado aos fãs, ao mesmo tempo aumentavam a vontade de assistir e o medo. Isso porque a DC realmente estava vazando muita coisa, fazendo muita propaganda do próprio peixe, e quando a esmola é muita vocês já sabem o que acontece.

Juntamente com a estreia do filme veio o verdadeiro massacre por parte dos críticos – mas a gente bem sabe que crítico de filme não é lá uma raça muito confiável, e que a opinião deles raramente concorda com a opinião dos meros mortais como eu e você. Sobre os meros mortais, de um lado eu ouvia que era um dos melhores filmes já vistos, ponto. Do outro lado, que era um dos piores filmes já feitos, ponto. No fim das contas, eu fui e paguei pra ver, porque só assim mesmo pra eu conseguir formar uma opinião.

Eu só conhecia o Esquadrão pelo desenho animado (inclusive, recomendo), mas não fui pega de surpresa pelas infinitas mudanças na história (porque é bem a cara da DC fazer isso).

Sendo bem sincera, eu gostei do filme, mas ele é bem ruim. Pelo menos, eu não achei tão ruim quanto BvS. O começo é legal de verdade, todo colorido, caótico, com um ar de videogame, é bastante divertido e tem várias citações legais das HQs (inclusive a Harley Quinn com a fantasia clássica de boba da corte do lado do Coringa de terno). E eu nem preciso falar qualquer coisa sobre o elenco, porque todos os atores são espetaculares.

A trama começa, mais ou menos do jeito da animação: Amanda Waller (quem a gente nunca sabe se é heroína ou vilã, mas tem muita certeza de que é badass as hell) tem um plano ousado, porém interessante: montar um time com os piores vilões de Arkham e enviá-los em missões suicidas e politicamente incorretas, para conseguir coisas que não seriam possíveis seguindo as regras. Se eles conseguirem, é uma vitória do governo, e eles diminuem décadas das próprias penas. Se eles morrerem…. É uma vitória do governo mesmo assim, além de ser menos um psicopata com quem eles precisem lidar.

No entanto, o filme comete exatamente os mesmos erros do filme anterior. O problema começa quando Amanda Waller, a toda-poderosa, a sempre-dez-passos-à-frente Amanda Waller apresenta Magia, uma entidade mágica milenar com poderes inimagináveis, como um cão em uma coleira.

Reprodução

Reprodução

Quem conhece minimamente a personagem Amanda Waller sabe o quão ridículo é isso. A mulher é praticamente o Batman de salto alto, ela jamais esbanjaria algo tão instável quanto uma bruxa-deusa-louca-vingativa. Mas não, nesse filme, cá temos Amanda tratando Magia como um super-trunfo. Afinal de contas o que poderia dar errado?

Talvez o fato de ela ser uma bruxa louca deusa vingativa? Enfim, Magia não demora a dar no pé, ficar bem doida e decidir que quer acabar com a raça humana. E é aí que o nosso recém-formado Esquadrão Suicida entra em cena.

Por mais que eu tenha gostado dessa história de entidades milenares/deuses antigos, tudo isso aconteceu incrivelmente rápido. As informações foram simplesmente cuspidas na sua cara, e você que se virasse para entender tudo e, principalmente, para conseguir curtir. E a gente sabe que não é assim que um filme bom funciona.

Eu achei grande parte dos personagens extremamente carismáticos, e até bem construídos. Mas Suicide Squad tem um detalhe em comum com BvS, que é uma das coisas que eu mais odiei: os personagens são subaproveitados, assim como os atores. Eu estou muito ansiosa para uma versão estendida de SS, justamente para ver os personagens com mais tempo de cena.

Toda a trama, além de apressada, é previsível, o que torna Suicide Squad um bom filminho de ação da Seção da Tarde, por exemplo. De novo: não é ruim, mas é medíocre, e em uma batalha cinematográfica contra a Marvel não dá para ser medíocre.

Uma coisa que irritou muito não só a mim, mas a muita gente (em especial esse cara aqui), é o tanto de informação que tinha no trailer e – pasmem – não tinha no filme. Eu ODEIO MUITO quando fazem isso. Parece que é de propósito que algumas das cenas mais legais dos trailers não são inseridas no filme, e todo mundo que tá ali na hora meio que se sente feito de trouxa.

Reprodução

Reprodução

Outra coisa que deixou todo mundo ouriçado foi a informação vazada pela própria DC a respeito do relacionamento entre o Coringa e a Harley Quinn.

Primeiro, eu vou contar para vocês que curti muito o Coringa do Jared Leto, e inclusive fiquei bem braba com o tão pouco tempo de cena que ele tem (alou, versão estendida!). E, ainda que eu sinta que esteja batendo muito nessa tecla ultimamente, tanto o Coringa quanto a Harley ficaram a cara da HQ do Brian Azzarello – um Coringa estilo “gangster louco das armas” e uma Harley mais stripper de boate. E, enquanto em todas, absolutamente todas as outras obras o relacionamento entre os dois é claramente abusivo, em Suicide Squad não é bem assim. Mas isso porque eles literalmente pegaram a relação dos dois do começo (o filme inclusive conta com o origins da Harley, ao estilo da HQ Mad Love), e mudaram várias coisas – principalmente o comportamento do Coringa com ela.

Aqui, acreditem se quiser, o relacionamento dos dois pende mais para o fofo do que para o abusivo. O Coringa em momento algum é agressivo ou violento com ela, e em várias cenas ele vai literalmente contra a própria natureza em favor dela. Ele demonstra que se importa, que se preocupa, é quase obcecado. Isso obviamente é um problema quando esta não é a realidade de todas as outras mídias, e quando tem muita gente romantizando um relacionamento problemático. No entanto, aqui, exclusivamente dentro do pequeníssimo microcosmo de Esquadrão Suicida, o relacionamento dos dois é até OK, embora continue sendo um pouco estranho (o que já era de se esperar, né?).

Reprodução

Reprodução

Infelizmente, não foi dessa vez que a DC ouviu a opinião alheia e aprendeu com os próprios erros. Eles ainda estão fazendo um filme se preocupando com o seguinte. Toda a enrolação e manipulação tosca de trama para inserir informações sobre A Liga da Justiça continua – e isso já me deixa morta de medo de ver o próximo filme. Me pergunto se em A Liga eles estarão completamente focados no filme em questão, ou se continuarão se preocupando em inserir easter eggs óbvios demais, numa eterna promessa de “o próximo filme vai ser bom”.

Suicide Squad foi medíocre, mas por muito pouco não foi um filme incrível – e esse é o tipo de erro mais dolorido que dá para cometer nessa área.

Não me arrependo de ver o filme, inclusive veria uma continuação com gosto, mas com o tanto de filme épico que eles têm planejado, está mais do que na hora de a DC consertar as próprias burradas, senão em alguns anos não haverá fã que consiga defender.

banner-post

Compartilhe:
Comente:
Post Anterior Próximo Post

Você também pode gostar de:

6 Comentários

  • Responder Camila

    Adorei a sua resenha, muito bem desenvolvida! Eu adorei o filme, mas assisti apenas com o intuito de me divertir e não estou familiarizada com o universo DC/Marvel, então acho o máximoler resenhas mais aprofundadas. Parabéns pelo post! 🙂

    Beijos!
    Cami.

    http://www.delamila.com

    12 de agosto de 2016 às 22:11
    • Responder Marcela Fabreti

      Que bom que gostou! (da resenha E do filme, hahaha). Agora que você falou, os filmes de heróis estão cada dia mais com piadas e explicações internas, que você meio que tem que estar familiarizado com a história das HQs para entender, mas eu acho que Esquadrão Suicida foi uma exceção né? Acho que mesmo sem saber da história original dá pra curtir a história do filme. Ainda bem! ❤️

      12 de outubro de 2016 às 17:37
  • Responder Ruh Dias

    Eu concordei com sua opinião, e também fiquei extremamente irritada como o Marketing do filme foi tão diferente do que o filme é em si. E gente, Jared Leto é Rei, que Coringa incrível. Super me apaixonaria por aquele Coringa e enlouqueceria com ele igual Arlequina. Se você tiver um tempinho, leia esta crítica aqui, pois concordo com vários pontos que eles escreveram: http://www.planocritico.com/critica-esquadrao-suicida-com-spoilers/

    Um beijo,
    Ruh Dias
    perplexidadesilencio.blogspot.com

    12 de agosto de 2016 às 22:11
    • Responder Marcela Fabreti

      Vou ler sim! Eu adoro que você sempre traz links que enriquecem o assunto ❤️❤️ E eu tô MUITO ansiosa pra versão estendida de Esquadrão, principalmente porque vai ter mais Arlequina e, com sorte, algumas das cenas que tinha no trailer e não no filme -.-

      12 de outubro de 2016 às 17:40
  • Responder Victória Cardoso Ferreira

    Guria, eu faço as mesmas ~análises de filmes~ que você, inclusive sonhei esses dias que assisti um filme com meus amigos e enquanto todo mundo estava falando que "era muito massa" eu fiquei "hum, a direção está realmente muito boa", HUAISHDUAI (no sonho estava me exibindo, mas enfim, internamente eu presto atenção nisso kkkk). Enfim, sobre Batman vs. Superman a verdade é que eu gostei do filme (não posso dizer que não se eu vi no cinema e em casa a versão estendida rs), mas achei o desenvolvimento um pouco demorado, não gostei do Lex Luthor, não gostei da porcaria de resolução deles ("Martha" foi ridículo), mas no geral eu curti. ]
    ENFIM O POST É SOBRE SUICIDE SQUAD NÉ rsrsrs Vou assistir hoje e sinceramente, o que espero é um filme ~massa~ e tecnicamente não muito bom, ahsudiahsuda. Eu espero que seja um filme divertido e estou ansiosa para ver os personagens, mas aposto que quem estava com a expectativa lá em cima vai se decepcionar.
    Ah, sobre o Coringa e a Harley Quinn: óbvio que nas HQs (e nos desenhos, jogos…) o relacionamento deles é abusivo e acho muito bom as pessoas estarem se conscientizando disso. Mas acho que conceitualmente o relacionamento dos dois é interessante (conceitualmente, dois loucos, tira a parte da violência e finge que um é apaixonado pelo outro rsrsrs) e provavelmente vou gostar de ver uma versão ok do relacionamento deles, até porque é uma outra mídia e não vejo problema nessa alteração. Mas é melhor ele não ser mau pra ela u_ú

    Beijos, Vickawaii
    http://finding-neverland.zip.net

    12 de agosto de 2016 às 22:12
    • Responder Marcela Fabreti

      Eu ainda preciso criar vergonha na cara e ver a versão estendida de BvS. E a gente não comenta sobre “Martha”, ok? Faz de conta que nunca aconteceu e segue a vida normalmente, HAHAHAH. Eu tô de olho esperando sair a estendida de Suicide também, justamente pra ver se eles vão inserir as cenas prometidas da Harley e do Coringa, inclusive ela antes de virar capanga dele. Espero não me desapontar horrivelmente de novo, HUE.

      12 de outubro de 2016 às 17:45

    Deixe uma Resposta