Acompanhe:
Pessoal

All work and no play

Reprodução

Reprodução

Nada mais natural do que eu ter horror a perder um prazo. Tanto por isso, os únicos prazos que eu me permitia relaxar eram os das postagens fixas do blog. Não que a minha permissão ajudasse muito, porque eu continuava com aquele peso na consciência de estar fracassando em uma meta ou desonrando um compromisso.

Algo que a maioria das pessoas não imagina é que a burocracia é viciante. Eu sei, não dá pra acreditar que as pessoas se apegam à papelada (des)organizada, às dezenas de pastas em cima da mesa, à uma agenda onde até os seus minutos já estão planejados (20:03 até 20:07 – pausa para beber dois copos d’água), mas é verdade. Existe um consolo, um alívio na falsa ideia de que tudo está sob controle, uma impressão de que tudo seria mais fácil se você fosse um robô, ou a mãe na animação recente de O Pequeno Príncipe. Não é a primeira vez que eu falo isso por aqui.

No entanto, a cada dia que passa eu me pergunto mais e mais se esse é realmente o estilo de vida que eu quero, e eu sei que a resposta é não. Eu não sei se eu aguentaria uma vida inteira acordando cedo, entrando no escritório às 10h e saindo às 20h, com duas horas de almoço que raramente existem. Eu admiro muito gente como a minha chefe, que acordou às 5h da manhã pra não pular o treino na academia, e estava às 8:30 no escritório pra reunião de equipe, e de lá até agora matou um leão por e-mail que abria… Mas eu preciso admitir que não sei se teria a mesma força, o mesmo pique ou se me sentiria realizada fazendo isso. E, por hora, eu cometo a ousadia de dizer que a minha rotina atual talvez seja ainda mais pesada, porque além de tudo eu tenho a faculdade pra me preocupar. Eu encaro, todos os dias, uma rotina de 15h, e tenho que me virar nas horas restantes para estudar e ainda tenho que dar um jeito de dormir na hora certa para estar minimamente útil na manhã seguinte.

Todo mundo sabe o que aconteceu com o último cara que foi all work and no play, e eu não quero isso pra mim. Eu percebi que tinha um problema quando passei a pensar no blog como trabalho, como algo formal e burocrático, e isso é tudo o que eu não quero que ele seja. Então, o meu primeiro passo rumo à desintoxicação burocrática foi me dar esse tempinho de “férias” dos posts programados, dos desafios, da coisa toda. Parei de me cobrar com Click Toys, 12 Meses de Poe, Lendo Sandman, playlist do mês etc, principalmente porque o blog estava se resumindo a isso e estava perdendo a sua essência. Só o que eu mantive em dia foi o Desafio 52 Semanas, porque deus me livre precisar ficar uma semana a mais nesse treco. Eu precisei tirar um tempo para voltar a me acostumar com a ideia de que a vida não se resume em trabalho, e a ideia por aqui é eu me divertir.

Eu venho tratando todo o meu escasso tempo livre com preciosidade, apreciando cada coisa tola e “pouco produtiva”. Não me sinto mais culpada por ter interrompido esse post durante uma hora para ficar deitada no sofá com a Evey dormindo no meu colo, ou por ter visto uma temporada inteira de Hora de Aventura sem nem me mover. Também descobri que ninguém vai morrer se eu não esfregar o chão de vez em quando ou se eu não lavar toda a roupa de uma vez. O reflexo disso tudo aqui no blog será na forma de algumas pequenas mudanças. Quero deixar a página mais organizada, quero me sentir confortável aqui de novo. Assim que eu me ltivrar das duas últimas matérias da faculdade, voltarei a postar sobre as coisas que eu gosto, sem pressão, e finalmente vou tirar várias ideias bacanas dos rascunhos. Fica por aqui que vai ser bem legal. 😉

Compartilhe:
Comente:
Post Anterior Próximo Post

Você também pode gostar de:

6 Comentários

  • Responder Juliana C

    Eu acabei deixando de lado os desafios que estava participando também (e menos o 52 semanas) porque tava sendo muita coisa pra mim e mais uma obrigação do que tudo.
    Criei meu blog por diversão também e acabei perdendo um pouco isso por conta de várias coisas nesses últimos meses. Espero que a gente ache um equilíbrio de novo 🙂

    5 de junho de 2016 às 17:06
  • Responder Erika Ruggio

    Nossa, já tive vários blogs que abandonei por esse mesmo motivo. E é engraçado como uma coisa mais relax, aleatória e por diversão parece ser tão mais difícil de conseguir do que uma coisa certinha, dentro do prazo, chata. A burocracia é viciante mesmo! E eu não havia me tocado até então. Boa sorte na sua desintoxicação! hahaha
    beijos

    11 de junho de 2016 às 16:30
  • Responder Thaísa Tavares

    Má, eu já tive vários blogs e só o atual deu certo: os outros eu sempre abandonava porque eu não estava sendo eu mesma ou sincera, estava seguindo o fluxo. Enfim, entendo o que você quer dizer, aliás adorei o texto. Tive apenas uma crise com o meu blog até hoje e ele tem dois anos então é uma estatística boa a que temos aqui, mas quando eu tive eu fiquei muito tempo sem postar. Não era bloqueio criativo, era só falta de vontade de postar e vontade de curtir a vida lá fora. Porque a gente sabe, o blog ocupa tempo e dedicação e neste tempo mil e uma coisas poderiam acontecer então quando eu passei por essa fase eu simplesmente me afastei e fui fazer outras coisas, dar um tempo pra mim e foi muito bom (espero poder fazer de novo um dia). Então sempre que você se sentir assim é válido se afastar, esquece posts programados ou agendados: poste quando bater aquela vontade imensa e por favor, se cuide acima de tudo!

    17 de junho de 2016 às 00:43
  • Responder Marcela Fabreti de Oliveira

    Esse 52 semanas vira O karma da nossa vida, né? HAHAHA Desiste de tudo, menos dele, porque senão vai ter mais semana pra fazer!
    Dá uma tristeza, porque são tantos desafios legais que tem por aí que a vontade é participar de todos xP

    19 de junho de 2016 às 18:02
  • Responder Marcela Fabreti de Oliveira

    Hihihi obrigada <3 tudo o que a gente precisa é um tempinho pra relaxar sem pensar em obrigações, aí tudo se ajeita. 😀

    19 de junho de 2016 às 18:03
  • Responder Marcela Fabreti de Oliveira

    Nossa, sim! Você conseguir ficar um tempinho sem pensar em nenhuma obrigação ou compromisso e, principalmente, sem se sentir culpada por isso faz maravilhas! Estou cada vez mais convencida de que o segredo do sucesso é se cobrar menos, hahaha.

    19 de junho de 2016 às 18:08
  • Deixe uma Resposta