Acompanhe:
Música

Tudo sobre o (meu surto no) show do 2CELLOS em SP!

Reprodução /  2CELLOS

Reprodução / 2CELLOS

Uma verdade incontestável: eu sou, bem no fundo, uma senhora idosa. Uma senhora idosa bem vestida e com surtos repentinos de energia, sim, mas ainda assim idosa. Por essas e outras que meu histórico de idas em shows é bem pequeno. Meu problema não é só o dinheiro do ingresso, mas sim o “ai, vai estar lotado, vai estar apertado/chovendo/com muita gente pulando em cima de mim e eu vou acabar toda desgrenhada, suada, cansada e com um longo caminho pela frente rumo à minha cama”. Então, sim, idosa, preguiçosa e mal-humorada, com muito gosto e muito feliz.

Eis que, depois de um certo trauma com Capital Inicial e modelos bêbadas, de uma EPOPÉIA pra voltar pra casa pós Lollapalooza (essa é uma história tão absurda que envolve até cadeira erótica) e de uma chuva mais gelada que coração de ex durante o show do Arctic Monkeys, eu tomei a seguinte decisão:

Show, pra mim, só se for sentada, num lugar fechado, bem organizado e de uma banda que eu goste MUITO, de preferência com poucas pessoas.

Um ser humano comum pensaria que foi só um jeitinho fino de dizer que eu nunca mais iria em show algum na minha vida a não ser que a minha banda favorita aceitasse fazer um acústico na minha sala de estar, MAS NÃO. A verdade é que eu estava apenas preservando o meu ser e o meu salto para o último sábado dia 26… O que não quer dizer que minha sala de estar não esteja aberta à acústicos.

Agora, imaginem vocês a minha felicidade quando descobri, através do Twitter, que essa dupla croata maaaravilhosa ia fazer um show em SP, no Espaço das Américas, aqui pertinho, e que ainda tinha lugares bons disponíveis (porque SIM, o show era com cadeira marcada)! Surtei, agarrei o cartão e comprei os ingressos na mesma hora. Continuei surtando quando o envelope chegou na casa do Euclides, e só parei de surtar depois do show. Posso dizer tranquilamente que eu expulsei de mim toda a sofrência causada pela última vinda deles ao Brasil, em que eles fizeram UM show, de UM dia, no RIO DE JANEIRO, pra depois irem embora. Inclusive, se não me engano, essa é a primeira vez em que eles fazem mais de um show no país.

Eu sou fã dos caras desde 2011, quando conheci a versão deles de Smooth Criminal, que segue fixa na playlist da minha vida até hoje. Desde então fui ouvindo várias músicas deles, e minhas favoritas com certeza são as adaptações de rock pro violoncelo. Quando eles lançaram Thunderstruck, do AC/DC, no ano passado, eu botei a casa abaixo. Curti tanto ou mais que a versão original. Isso sem falar que o trabalho da dupla desencadeou uma pira com violoncelo que vai me acompanhar pro resto da vida.

Foi minha primeira vez no Espaço das Américas. Curti muito o espaço, a organização e, apesar de quase todos os ingressos terem esgotado, não estava apertado ou atolado de gente. Cada um tinha o seu cantinho e todo mundo conseguia ver bem (pelo menos eu conseguia hehe). Em uma palavra: Sucesso. E por lá tinha de tudo: tinha um maluco de cosplay de Fullmetal Alchemist, tinha umas senhorinhas muito bem vestidas, tinha gente com camisa de rock, tinha uns pais de família com roupa social e tinha eu, que mesmo antes do show estava fazendo altas dancinhas empolgadas.

A dupla é amor puro, fizeram um ótimo trabalho em deixar todo mundo à vontade e rindo. Luka falou bem pouco, mas disse que poderíamos fazer o que bem entendêssemos: dançar, cantar, pular, sair das cadeiras e ir pro espaço aberto ao lado, qualquer coisa. Já Stjepan pediu para que, por favor, ficássemos até o fim, porque imagina que desgraça você estar lá tocando, de olhos fechados, e de repente percebe que não sobrou ninguém pra ouvir? Ele também tomou a liberdade de dedicar uma das músicas ao próprio rosto, porque ambos eram realmente bonitos… Achei digno.

O show começou tranquilo, com música clássica (aliás, “contemporânea”, o Euclides briga comigo porque Clássico é um período, não um estilo, e eu me recuso a aceitar o fato), e eu me matei de chorar. Sério mesmo, chorei que nem coitada porque não acreditava que estava vendo os caras ali ao vivo. O ritmo foi aumentando aos poucos, eles tocaram Coldplay, U2 e Human Nature do Michael Jackson, E AÍ POW! Emendaram de uma vez Smooth Criminal, Welcome to the Jungle e Thunderstruck. E eu morri né? Caí estatelada e morta no chão e fiquei por lá. E quando o Stjepan tocou violoncelo deitado no chão EXATAMENTE COMO NO VIDEOCLIPE eu levantei só pra ir pro chão de novo. Não, mentira, porque nessa hora eles fizeram todo mundo levantar e a gente pulou, gritou, dançou e cantou junto. E em Thunderstruck aconteceram dois milagres: o primeiro foi que surgiu um baterista do nada. Absolutamente do nada. Eu olhei pra tela, olhei pro palco e o baterista tava lá em beast mode e eu não faço a menor ideia de onde aquele cara apareceu. O segundo milagre foi que a minha bota de salto alto se transformou num All Star equipado com molas e desenvolvido pela NASA, porque nessa hora eu pulei, eu dancei, eu subi e pulei em cima da cadeira e quase matei o Euclides do coração, eu bati o salto no chão tão enlouquecida que todo mundo bateu o pé comigo e a gente fez o setor inteiro tremer e foi INCRÍVEL. Digo com orgulho que o show em que eu mais me diverti na vida foi um concerto de violoncelo.

A melhor coisa que eu fiz foi ter ido pro show sem ter ouvido Celloverse, que é o novo álbum deles. Fui pega completamente de surpresa por They Don’t Care About Us e ri feito maluca com The Trooper (Overture). O show durou umas duas horas, e pras últimas músicas eles obviamente colocaram camisas do Brasil. Inclusive, quando eles tocaram Mas Que Nada e todo mundo cantou junto foi de arrepiar, eles mesmos ficaram super felizes. Eles ainda zoaram com a cara da plateia inteira tocando Gustavo Lima e Ai Se eu Te Pego daquele cara loirinho que eu não lembro o nome, e surgiram com paus de selfie pra coroar a brincadeira. E terminaram com Bach e com a promessa de voltarem ano que vem. Aah, meus queridos, eu definitivamente estarei ali na frente ano que vem, vocês que me aguardem.

Reprodução / 2cellos Instagram

Reprodução / 2cellos Instagram

PS. Descobri depois do show que uns amigos nossos estavam sentados duas fileiras na frente.
Se você também estava no show, eu gritei “me respeita” quando o cara lá na frente gritou “vai, corinthians”, talvez você tenha me ouvido.

PS². Tirei várias fotos com o celular, mas prefiro esperar o Espaço das Américas divulgar as fotos oficiais para dar uma colorida no post assim que possível.

PS³. Não rolou foto de ~look~ porque eu não tenho nem câmera e nem paciência pra essas coisas, mas confiem que eu tava bem gata.

Compartilhe:
Comente:
Post Anterior Próximo Post

Você também pode gostar de:

6 Comentários

  • Responder Mila

    Que legal! Eles arrasam pelo jeito e gatos pela foto!
    Também sou velha como vc. Mas as vezes esses surtos energéticos acontecem comigo também. haha
    Adorei o post e fico feliz por vc ter se divertindo tanto, senti seu entusiamo em cada palavra!
    Bjs

    http://achadosdamila.blogspot.com.br/

    1 de outubro de 2015 às 01:55
  • Responder Juliara Vasconcelos

    2Cellos é maravilhoso! Imagino como deve ter sido o show deles! Eles tocando Thunderstruck ao vivo deve ser épico!

    Zona de Conspiração | Fanpage | Canal

    1 de outubro de 2015 às 01:55
  • Responder Stephanie Ferreira

    Achei que fosse só eu quem tinha esse sentimento de estou velha pra essas coisas mesmo tendo 23 anos rsrs
    Sobre o show, QUE INVEJA. Não sabia que eles estiveram por SP :'(
    Mas que bom que tenha curtido muito, os caras são demais mesmo. Meu pai é violoncelista também (não no mesmo nivel rsrs)

    Um beijo,
    http://quasemineira.com.br/

    1 de outubro de 2015 às 01:55
  • Responder Marcela Fabreti de Oliveira

    Hahaha fico feliz por ter conseguido passar parte da minha empolgação pro post, eu ainda tô com aquela cara boba de quem quer viver o dia tudo de novo. Fico feliz que tenha gostado! 😀

    1 de outubro de 2015 às 02:10
  • Responder Marcela Fabreti de Oliveira

    É MUITO ÉPICO! Eles tocam igualzinho ao clipe! Só tô recuperando os movimentos do pescoço agora, de tanto que joguei cabelo nessa música, hahaha!

    1 de outubro de 2015 às 02:11
  • Responder Marcela Fabreti de Oliveira

    Eu só descobri o show por sorte, muuuita sorte! Fica esperta que talvez ano que vem tenha de novo! 😀 E que INCRÍVEL que seu pai toca violoncelo! Se eu fosse você, ficaria infernizando ele por todos os lados pra ele tocar <3

    1 de outubro de 2015 às 02:16
  • Deixe uma Resposta